20/03/2014 - Setor de transplantes não atinge meta de doadores

Ano de 2013 registrou aumento de 5% na taxa de doadores, não atingindo a meta pela primeira vez, desde 2007, que era de 13,5 doadores por milhão de população.

Com crescimento menor que o previsto, o setor brasileiro de Transplante de Órgãos encerrou o ano de 2013, com um aumento de 5% na taxa de doadores efetivos segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), não atingindo a meta pela primeira vez, desde 2007, que era de 13,5 doadores por milhão de população (pmp).

Um dado positivo é que o número de doadores efetivos cresceu 127% entre os anos de 2006 a 2013. Nos sete estados brasileiros cuja taxa de doadores é superior a 14 doadores pmp houve crescimento em 2013, contudo o setor requer empenho uma vez que a previsão para 2014 é atingir 15 doadores pmp.

De acordo com o Internacional Registry in Organ DonationTransplantation (IRODAT), em 2012, o Brasil foi o segundo país em número absoluto de transplantes renais, com 5.385 transplantes, ficando atrás apenas dos Estados Unidos, com 15.549 transplantes. Nos últimos 10 anos os transplantes de Rim no Brasil totalizam cerca de 65 mil transplantes.

Com uma taxa de 1 transplante pmp, o pulmão, apresentou um aumento 16% em 2013. Pela primeira vez, o transplante de pulmão foi realizado nos cinco estados brasileiros. Nos últimos 10 anos, o Brasil registrou 782 transplantes de pulmão. Em contra partida, de acordo com a Organ ProcurementTransplantation Network (OPTN), nos EUA, foram realizados, só no ano de 2013, 1.754 transplantes.

Fonte: Saúde Web

Fotos Relacionadas