15/04/2014 - Um doce amigo

"Em surpreendente gosto adocicado, como se estivesse impregnada de mel ou açúcar." Essa foi a constatação do médico e filósofo inglês Thomas Willis, da Universidade de Oxford, em 1674, ao analisar a urina de um paciente com suspeita de diabetes. Willis acabara de descrever empiricamente a glicosúria, um dos sintomas da doença, caracterizado pela excreção de glicose pela urina devido ao excesso do composto no sangue. Três séculos depois da observação de Willis, e da evidência da liberação de glicose pelo organismo, acaba de chegar às farmácias uma nova classe de medicamentos destinada a diminuir o volume de açúcares que os rins reciclam e devolvem ao organismo. É uma doce arma para o combate do diabetes, doença que atinge cerca de 370 milhões de pessoas em todo o mundo, pelo menos 13 milhões no Brasil.

Administrados por via oral, os novos remédios são os chamados glicosúricos.O primeiro deles, a dapaglifozina (vendida sob o nome comercial de Forxiga). fabricado pelo laboratório inglês Astra-zeneca e aprovado nos Estados Unidos em janeiro deste ano, acaba de chegar às farmácias brasileiras. Até o fim do ano deverá ser lançada a canaglifozina (Invokana), da Janssen, subsidiária da Johnson & Johnson. Há ainda oito medicações da mesma linha em fase de estudos, metade delas já na etapa final de pesquisa. "Funcionam por meio de um dos mecanismos mais simples já desenhados para o diabetes, e o efeito é extraordinário", diz o endocrinologista Alfredo Halpern. do Hospital das Clínicas.

Fonte: Veja

Fotos Relacionadas