02/02/2018 - ALERTA AOS FARMACÊUTICOS E À POPULAÇÃO

O emprego da homeopatia no caso da febre amarela consiste na indicação de medicamentos homeopáticos que auxiliam na profilaxia e tratamento dos sintomas. A vacinação estabelecida conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunização, do Ministério da Saúde, é a medida mais importante para a prevenção e o controle da doença.

A vacina contra a febre amarela é preparada a partir do vírus vivo atenuado e produzida no Brasil. Sua imunidade ocorre dez dias após a aplicação, conferindo imunidade, segundo a OMS, por toda a vida.

Desde a criação da homeopatia pelo médico alemão Dr. Samuel Hahnemann, essa terapêutica vem atuando em epidemias, e há relatos históricos documentados que demonstram resultados e benefícios bastante significativos.
Apenas para exemplificar, a homeopatia foi usada com sucesso nas seguintes epidemias: escarlatina, em 1799 na Alemanha; púrpura miliar, em 1801; tifo, em Leipizig, no ano de 1813; cólera, entre 1831 a 1834, na Europa; cólera em 1854, Inglaterra; e gripe espanhola, em 1918, nos EUA.

Aqui no Brasil não é diferente. Existem relatos com êxito da homeopatia nas epidemias de escarlatina, no Rio de Janeiro (João Vicente Martins, 1849); febre amarela, na Bahia, entre 1850 a 1852; cólera, a partir do Pará (1855), chegando ao Recife, e depois ao Rio de Janeiro; febre amarela também no Rio de Janeiro (1870, 1873, 1875 e 1877). Gripe em 1918. Mais recentemente há registros pormenorizados e divulgados nas epidemias de meningite meningocócica, em São Paulo, e dengue, na cidade de São José do Rio Preto (SP), em 2001.

Na maioria destes casos houve a utilização do agente causal preparado de forma homeopática ou isoterápico, para auxiliar no tratamento e prevenção das doenças, sendo esta uma prática tradicional que está respaldada pela Farmacopéia Homeopática Brasileira.

O medicamento homeopático preparado a partir da vacina da febre amarela, ou isoterápico, atenua mais ainda o vírus vivo e pode ser complemento individual às medidas preventivas coletivas já elencadas pelo Ministério da Saúde. Consulte seu médico ou farmacêutico homeopata e se informe dos limites de atuação deste medicamento homeopático.

É preciso deixar claro que é um equívoco chamar um isoterápico de vacina homeopática, termo que não existe oficialmente nesta prática terapêutica. Reafirmamos que, no caso da febre amarela, a vacinação estabelecida conforme as diretrizes do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde é a medida mais importante para a prevenção e o controle da doença.

IMPORTANTE! Destacamos ainda que, qualquer prática ou informação dissonante com o teor desta nota técnica por parte de farmacêuticos, deve ser informada aos conselhos de Farmácia para que providências sejam adotadas.

Grupo de Trabalho Sobre Homeopatia do Conselho Federal de Farmácia

 

Fonte: Comunicação do CFF

Fotos Relacionadas