Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Dentes a partir da urina

Data: 31/07/2013

Cientistas chineses foram buscar em uma fonte inusitada células humanas que, depois, foram reprogramadas para regredirem ao estágio de células-tronco e crescerem para formar estruturas básicas de um dente: o xixi.

Segundo os pesquisadores do Instituto de Biomedicina e Saúde de Cantão, a urina provê material suficiente para ser usado em terapias de medicina regenerativa, que prometem, no futuro, produzir não só dentes como órgãos e outros tecidos em laboratório, pondo fim às filas para transplantes e aos riscos de rejeição, já que eles teriam o mesmo DNA do paciente.

E a técnica também está sendo experimentada no Brasil. Ao longo das duas últimas semanas, o biólogo polonês Jarek Sochacki, que faz seu pósdoutorado no Laboratório Nacional de CélulasTronco Embrionárias da UFRJ (Lance), vem cultivando células retiradas do xixi de voluntários com o objetivo de posteriormente reprogramálas e usá-las em estudos na área.

— O primeiro motivo para usar a urina como fonte é que é muito fácil obter as células nela, afinal, todos fazemos xixi — diz Sochacki.

Segundo o cientista, bastam entre 200 e 300 mililitros de urina do paciente para ter células suficientes para serem reprogramadas.

A outra vantagem, conta, é que o método é não invasivo, dispensando, por exemplo, as biópsias para obtenção de fibroblastos.

Estas células da pele foram as usadas pelo japonês Shinya Yamanaka, ganhador do Nobel de Medicina do ano passado, na pesquisa que lhe rendeu o prêmio, na qual demonstrou que é possível forçar a regressão de células de tecidos maduros e já diferenciadas ao estágio de células-tronco similar ao das embrionárias.

Conhecidas como células-tronco de pluripotência induzida (iPS, na sigla em inglês), elas poderiam então ser transformadas em novos tecidos e órgãos sem a necessidade, e as questões éticas, de manipular embriões humanos.

— O método pode ser útil quando o paciente for um bebê ou uma criança, evitando o trauma de um biópsia — defende Stevens Rehen, coordenador do Lance-UFRJ.

Rehen explica ainda que, teoricamente, não há razão para acreditar que outros tipos de células, como os encontrados na saliva, também não possam ser reprogramados em iPS, mas destaca que, por enquanto, os estudos têm se concentrado naqueles em que já se provou possível, como os fibroblastos, tipo presente na urina, no sangue e em alguns outros tecidos.

— É uma tecnologia muito nova, então simplesmente não sabemos ainda se é possível reprogramar qualquer tipo de célula — conta.

— No caso da urina, por exemplo, só tem dois ou três laboratórios no mundo trabalhando com estas células, entre eles o Lance.

SEM RISCO DE CONTAMINAÇÃO

Ainda de acordo com Sochacki, retirar as células da urina não apresenta maiores problemas com a contaminação das culturas por micro-organismos quando comparadas aos fibroblastos de outras fontes.

Para isso, no entanto, o primeiro cuidado deve ser tomado já na hora da coleta, com a limpeza tanto das mãos quanto da região genital.

— A urina já é estéril naturalmente —destaca.

— Mas pode ocorrer contaminação das amostras caso existam infecções no trato urinário ou mesmo no processo de preparação das culturas.

Por isso, colocamos antibióticos no meio de cultura para “limpar” a amostra.

Outros especialistas, no entanto, têm opinião diferente.

Em entrevista à “BBC” sobre o anúncio da equipe chinesa, Chris Mason, professor do University College London, afirmou que a urina era “uma das piores fontes” para obtenção de células-tronco. Segundo ele, o risco de contaminação por bactérias é muito maior do que outras opções, como a pele e o sangue.

Mason também criticou a baixa eficiência do método chinês, acrescentando que são poucas as células úteis encontradas na urina e que a equipe só conseguiu reprogramar cerca de 30% delas para se tornarem iPS:

— O grande desafio neste campo é produzir dentes que tenham uma polpa com nervos e vasos sanguíneos de forma a garantir que eles se integrem (à boca) e virem dentes definitivos.

No experimento chinês, os pesquisadores implantaram as células-tronco reprogramadas em camundongos e conseguiram apenas que elas se transformassem em um aglomerado com várias das estruturas dentárias, entre elas polpa, dentina e esmalte, mas não um dente funcional em si.

Fonte: O Globo
Autor: Cesar Baima

Fotos Relacionadas

TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700