Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Genética mostra que erva medicinal causa câncer

Data: 08/08/2013

Aristolochia, usada para artrite, levou indivíduos a desenvolver tumores.

Dois novos estudos revelam que o ácido aristolóquico, composto usado na produção de remédios fitoterápicos, causa mutações nas células de quem as consome, levando ao desenvolvimento de tumores.

A partir de sequenciamento genético de pessoas com câncer e expostas às plantas da família Aristolochia, os cientistas mostraram que ela provoca ainda mais mutações do que dois dos principais cancerígenos do meio ambiente: o tabaco e a radiação ultravioleta.

Os estudos da Universidade de Johns Hopkins e do Memorial Sloan-Kettering, de tratamento de câncer, nos Estados Unidos, foram publicados ontem na revista “Science Translational Medicine”.

Os remédios, geralmente de origem chinesa, são usados no tratamento de artrite, gota e inflamação.

Os efeitos tóxicos da erva começaram a ser notados ainda nos anos de 1990, quando foi relacionado a problemas renais em mulheres que tomavam suplementos com o composto na Bélgica.

Estudos mais recentes em Taiwan, onde os fitoterápicos com a planta eram populares, apontaram para o aumento do número de casos de câncer do trato urinário superior (rins, ureter e pelve).

Mas as mutações genéticas associadas à exposição ao ácido aristolóquico continuava desconhecidas.

A importação de Aristolochia foi oficialmente banida em vários países nos anos 2000, incluindo Estados Unidos, China e Taiwan.

A planta também foi associada à contaminação de alimentos de aldeias agrícolas na região dos Bálcãs, no sudeste da Europa, onde a Aristolochia cresce livremente entre campos de trigo.

No Brasil, há proibição para o uso em cosméticos, mas não existe regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) sobre fitoterápicos.

Em ambos os estudos, foram analisados os genomas de indivíduos com câncer expostos à planta.

Num deles, a equipe fez testes com 19 taiwaneses com tumor no trato urinário superior que usaram a erva e outros sete sem contato com ela.

Foram encontrados, em média, 753 mutações no tumor dos indivíduos expostos e 91 nos demais.

Este nível de mutação é maior do que o encontrado em melanomas causados por radiação ultravioleta e câncer de pulmão por fumo.

“A tecnologia nos dá a assinatura da mutação para afirmar com certeza que a específica toxina é responsável por causar este tipo de câncer”, afirmou no artigo Kenneth Kinzler, professor de oncologia da Johns Hopkins.

— Muitas pessoas acreditam que algo de ervas ou natural é necessariamente saudável.

Mas este trabalho claramente mostra como um produto natural é extremamente cancerígeno — disse à revista “The Scientist” Marc Ladanvi, pesquisador de oncologia do Memorial Sloan-Kettering, que não se envolveu nos estudos.
 

Fonte: O Globo

Fotos Relacionadas

TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700