Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

33 perguntas sobre a epidemia de gripe suína

Data: 05/05/2009

A gripe suína iniciada no México parece não ter chegado ao Brasil. E – se tudo correr bem – não chegará nunca. Mas gripes assim são um dos maiores temores dos infectologistas. Entenda por quê.

1. O que é a gripe suína?
É uma doença respiratória que afeta os porcos e, raramente, contamina humanos. No passado, os poucos casos em humanos ocorreram com criadores de porcos.


2. Onde surgiu a doença?
No México. Os primeiros casos foram diagnosticados em março. O governo só notificou a OMS em meados de abril.


3. Qual é o causador da doença?
É o vírus influenza. Ele existe em três tipos diferentes (e diversos subtipos), que infectam aves, porcos e humanos.


4. Por que ele infecta humanos?
O vírus da gripe é mutante. Além da gripe suína, os porcos podem se infectar com as variedades que afetam humanos e aves. Quando isso acontece, o vírus pode se modificar, fazendo surgir um novo tipo de gripe suína, transmissível entre humanos.


5. Por que esta gripe preocupa?
O vírus parece ser de um subtipo nunca visto em humanos ou porcos. Segundo análises iniciais, ele tem material genético de porcos, aves e humanos. Por ser inédito, não temos anticorpos contra ele.


6. A gripe suína é contagiosa?
Sim.


7. Como se pega a doença?
Ela é transmitida pelo ar ou pelo contato com as secreções dos doentes. Quando um doente espirra, tosse ou fala, partículas de vírus são espalhadas e podem ser inaladas por outras pessoas. Da mesma forma, quando um doente assoa o nariz, os vírus passam para suas mãos. Um aperto de mãos ou o toque em uma maçaneta podem passar o vírus. Um doente em um espaço fechado, como avião ou metrô, pode contaminar várias pessoas.


8. Quais são os sintomas?
Os sintomas da gripe suína lembram os da gripe comum. O primeiro é febre alta, de 39 graus célsius, acompanhada por dores musculares e nas articulações, tosse, dor de garganta, corrimento nasal e cansaço. O doente cai de cama. No México, há pacientes com diarreia e vômitos. Os casos mais severos necessitam de internação.


9. Os sintomas da gripe são parecidos com os do resfriado comum?
Não. O resfriado é causado por vários vírus. Só causa espirros e corrimento nasal.


10. O que fazer se você tiver os sintomas da gripe?
A gripe suína não chegou ao Brasil. Portanto, se tiver sintomas de gripe, deve ser uma gripe comum, que acomete milhões de pessoas todo inverno. Tome antigripais e repouse. Se piorar, procure um médico.


11. Existe cura para a gripe suína?
Sim. Este vírus de gripe suína, do subtipo H1N1, pode ser tratado com os antivirais oseltamavir, vendido com a marca Tamiflu, e zanamivir, da marca Relenza. Em casos graves, o antiviral deve ser administrado nas 48 horas após os primeiros sintomas.


12. É preciso ter antivirais em casa?
Não. O uso indiscriminado do medicamento pode ajudar a criar vírus resistentes. Vários países, inclusive o Brasil, têm estoques estratégicos do remédio para distribuição em caso de emergência.


13. Há vacina contra a gripe suína?
Não. O DNA do vírus já foi sequenciado e levará à produção de uma vacina. Mas ela ainda vai demorar alguns meses.


14. Se não há vacina específica, devo tomar a vacina de gripe existente?
Depende. A vacina é recomendada para crianças pequenas e idosos. São as faixas etárias que mais sofrem com a gripe comum. Ninguém sabe se essa vacina confere alguma defesa contra a gripe suína.


15. Há risco de contrair a gripe suína comendo carne de porco?
Não. Ela só é transmitida entre humanos. O cozimento da carne elimina o vírus.


16. Então como ela passou do porco para o primeiro caso humano?
Ninguém sabe, ainda. Suspeita-se que ela tenha surgido numa fazenda de criação de porcos no Golfo do México, onde foram detectados os primeiros casos.


17. O uso de máscaras cirúrgicas previne o contágio?
Não. Os vírus são muito pequenos e passam através da máscara.


18. Posso viajar para o México?
Só viaje se tiver extrema necessidade.


19. O que se pode fazer para conter a expansão da epidemia?
O governo mexicano e a Organização Mundial de Saúde (OMS) trabalham para impedir que a gripe se espalhe para fora do México. Embora haja casos confirmados nos Estados Unidos, no Canadá, no Reino Unido, na Espanha, em Israel, na Nova Zelândia e Costa Rica, são doentes que se infectaram no México e foram rapidamente internados e tratados. Na Cidade do México, a segunda maior do planeta, com 22 milhões de habitantes, a transmissão parece ter saído do controle. Para conter o contágio, o governo ordenou o fechamento de escolas, igrejas, museus, estádios esportivos, bares e restaurantes.


20. Essas medidas são suficientes?
Caso, nos próximos dias, o número de doentes aumente, o governo mexicano e a OMS podem ordenar o isolamento da Cidade do México, fechando aeroportos e impondo barreiras para impedir a entrada e saída de pessoas.


21. Qual é a chance de a gripe chegar ao Brasil?
Se não for contida no México, a possibilidade de a doença chegar ao Brasil não pode ser descartada.


22. Devem-se evitar aglomerações?
Só se a doença chegar ao Brasil. Nesse caso, evite os transportes coletivos e os locais com concentração de pessoas, como cinemas, teatros, estádios esportivos etc.

23. Há risco de morte?
Assim como na gripe comum, os casos da gripe suína variam em severidade. Os casos mais graves culminam em pneumonia e falência respiratória. Na gripe comum, os mortos são geralmente crianças e idosos. A gripe suína tem se mostrado mais fatal na faixa dos 25 aos 45 anos. É o mesmo padrão da pandemia de Gripe Espanhola de 1918. Suas vítimas se concentraram entre os jovens adultos e saudáveis. Eles morreram justamente por ser mais fortes, em decorrência de uma ultrarreação do sistema imune para se defender.


24. O que é uma pandemia?
É uma epidemia em escala mundial.


25. O que foi a Gripe Espanhola?
A pandemia de Gripe Espanhola foi causada pelo vírus da gripe tipo A, subtipo H1N1 – muito parecido com o da gripe suína atual. Entre março de 1918 e junho de 1920, a pandemia deu duas voltas ao mundo. Infectou 20% da humanidade e matou mais de 50 milhões de pessoas, um em cada 20 doentes. No Brasil, teriam sido 300 mil mortos. Na cidade de São Paulo morreram 14 mil, inclusive o ex-presidente Rodrigues Alves, que governara o país entre 1902 e 1906. Em 1918, foi eleito para um novo mandato. Morreu antes da posse.


26. Por que se chamou Espanhola?
Apesar de os primeiros casos terem sido diagnosticados nos Estados Unidos, a Primeira Guerra Mundial não havia acabado, e a censura militar proibiu a divulgação das mortes. A doença só se tornou pública quando atingiu o Porto de San Sebastián, na Espanha (que não estava em guerra e não tinha censura).


27. Houve outras pandemias?
Sim. No século XX, além da Gripe Espanhola, houve duas pandemias de gripe. Em 1957, a pandemia Asiática matou 4 milhões de pessoas. Em 1968, a pandemia de Hong Kong matou 1 milhão. Ambas foram causadas pelo vírus da gripe aviária.


28. Foi o mesmo vírus da gripe do frango de 1997?
Parecido. Mas o surto de gripe aviária que eclodiu em Hong Kong foi provocado pelo vírus H5N1, que só era transmitido pelo contato com aves. Por isso, não se espalhou (como nos casos em que o vírus é transmitido por contato entre humanos). Houve apenas 18 doentes e seis mortos.


29. O que é a gripe aviária?
Desde o surto de 1997, o vírus H5N1 matou milhões de aves na Ásia, África e Europa. A partir de 2003, a gripe aviária voltou a infectar humanos. Já são 420 casos e 260 mortes. O contágio só se dá por meio do contato direto entre aves e humanos.


30. E a SARS, de 2003?
A Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) não era gripe. Foi causada por um vírus até então desconhecido e matou 800 pessoas na Ásia e no Canadá.


31. A epidemia de gripe suína pode se tornar uma pandemia?
A possibilidade existe. Quando a OMS foi informada do surto, em meados de abril, elevou o alerta epidemiológico de gripe para o nível 3. Esse nível significa que não se sabe se a doença é transmitida entre humanos. Em 27 de abril, o alerta subiu para o nível 4, com a transmissão comprovada entre humanos. A escala vai até 6. O alerta 5 indica a existência de focos da doença em várias regiões. Isso só aconteceria se a epidemia se espalhasse para fora do México. O alerta 6 indica uma pandemia.


32. Se a pandemia não ocorrer agora, poderá acontecer no futuro?
A eventualidade de uma nova pandemia de gripe é a maior preocupação dos infectologistas. Um estudo publicado na revista médica The Lancet, em 2006, estimou que a próxima pandemia de gripe poderia matar entre 50 milhões e 80 milhões de pessoas.


33. E qual é a chance de esta ser a grande pandemia tão temida?
A OMS acredita que, mesmo se a gripe atual sair do controle, ela será uma pandemia “leve”. Um indício disso é que os casos diagnosticados nos Estados Unidos se mostraram mais amenos que os do México. Nesse caso, se teria apenas mais um vírus facilmente contagioso, incômodo, prejudicial – mas passageiro.

De onde vem a ameaça

Cientistas dizem que o novo vírus de gripe suína combina genes das gripes aviária e humana

Verdades e Mentiras

O que se pode fazer para evitar o contágio – e o que não funciona

- Lavar as mãos constantemente e evitar tocar os olhos, boca ou nariz são formas de reduzir o contato com o vírus

- Se a gripe suína chegar ao Brasil, devem-se evitar aglomerações e locais de grande circulação

- É inútil o uso de máscaras cirúrgicas. O vírus da gripe é muito pequeno e passa através da máscara

- A vacina de gripe não protege contra a nova doença. Assim mesmo, crianças e idosos devem tomá-la

Fonte: Revista Época
Autor: Peter Moon

Fotos Relacionadas

TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700