Menu Principal

fecha o menu
Experiências exitosas de farmacêuticos no SUS

Notícias Gerais

Diretora da OPAS afirma que as vacinas contra COVID-19 não serão uma solução fácil e rápida para as Américas

Data: 17/12/2020

Washington D.C., 16 de dezembro de 2020 – A pandemia de COVID-19 que teve início em 2020 “é, sem dúvida, o evento de saúde pública mais inesperado de nossas vidas”, afirmou nesta quarta-feira (16) a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Carissa F. Etienne. “Esta pandemia se destaca tanto em escala quanto em impacto. E ressaltou dois dos desafios de longa data de nossa região: a desigualdade e falta de investimento em nossos sistemas de saúde”.

“Desde o início desta pandemia, há menos de um ano, a Região das Américas registrou quase 31 milhões de casos e 787 mil mortes por COVID-19. Isso representa cerca de metade de todas as infecções e mortes pela doença em todo o mundo”, disse Etienne em coletiva de imprensa.

“Embora esperemos que 2021 inaugure um novo capítulo em nossa luta contra esse vírus, proteger milhões de pessoas em nossa região com as vacinas contra a COVID-19 será um grande empreendimento. Portanto, devemos ser pacientes e realistas de que COVID-19 estará entre nós por algum tempo - portanto, nosso trabalho para controlá-lo não pode e não deve parar”, enfatizou Etienne.

A diretora da OPAS observou que 2020 foi um ano diferente de qualquer outro. “Espero que, ao olharmos para trás, nos lembremos dele não apenas como o ano que nos trouxe a COVID-19, mas o ano em que finalmente decidimos fazer da saúde nossa maior prioridade.”

O controle da pandemia, disse Etienne, "exigirá que prestemos atenção às lições que aprendemos até agora e enfrentemos os desafios de longa data que nos impediram: desigualdade generalizada e sistemas de saúde com recursos insuficientes".

“Os sistemas de saúde em nossa região lutaram para administrar o influxo de casos de COVID-19 devido aos suprimentos, espaço e pessoal limitados. A resposta à COVID-19 também interrompeu os serviços de saúde essenciais dos quais as pessoas dependem para lidar com doenças como HIV, TB, diabetes e hipertensão. Como resultado, os pacientes correm um risco maior dessas condições tratáveis e nossa região pode perder décadas de progresso”, observou a diretora da OPAS.

Colaboração da OPAS para enfrentar a epidemia

Em 2020, a Região das Américas em 2020 “combinou tragédia e adversidade com determinação e solidariedade”, disse Etienne, observando que nos estágios iniciais a OPAS ajudou os países membros a obter acesso a testes de PCR, desenvolveu uma rede de laboratórios para detectar casos em cidades e áreas rurais, capacitou profissionais de saúde e ajudou a fornecer recursos e apoio. O número de leitos de UTI na América Latina quase dobrou este ano graças aos esforços rápidos dos países.

“A OPAS pôde apoiar avaliações de preparação em mais de 500 hospitais públicos em nossa região que ajudaram a formar estratégias de país contra esse vírus. A Organização conduziu centenas de treinamentos e doou milhões de EPIs e testes diagnósticos e emitiu mais de 100 peças de orientação técnica para garantir que os profissionais de saúde entendam a ciência mais recente e possam acessar as ferramentas de que precisam para combater esse vírus com segurança”, pontuou a diretora da OPAS. 

Nesta semana, Etienne observou, “algumas das pessoas mais vulneráveis em nossa região já estão recebendo vacinas contra a COVID-19, com milhões de doses a mais esperadas no início do próximo ano. Esta linha do tempo é surpreendente e uma prova da colaboração sem precedentes entre cientistas, pesquisadores e especialistas”.

Parcerias globais como o mecanismo COVAX também estão reunindo recursos, experiência e esforços para garantir que os países tenham igual acesso a vacinas COVID-19 seguras e eficazes, nos mesmos prazos, ressaltou.

A diretora da OPAS agradeceu ao governo do Canadá por sua doação de 255 milhões de dólares canadenses para apoiar vacinas e tratamentos para COVID-19: “Esperamos que outros países se juntem ao Canadá em sua demonstração de solidariedade e compromisso para promover o acesso equitativo a ferramentas seguras e eficazes.”

Etienne disse que mesmo com o lançamento das vacinas, “os países não podem ficar complacentes, devem continuar a promover as medidas de saúde pública adequadas para controlar os casos, como o uso de máscaras e o distanciamento social. Os pacientes precisarão ser testados, isolados, cuidados e devemos continuar a colocar os casos suspeitos em quarentena. Nada disso pode parar ou arriscamos muitas vidas. Estou preocupada com todo o trabalho pela frente - não será nada fácil ou rápido.

Fotos Relacionadas





TV CFF















Newsletter

Cadastre-se em nossa newsletter para receber notícias direto no seu e-mail



Copyright © 2008 Conselho Federal de Farmácia - CFF. Todos os direitos reservados.

SHIS QI 15 Lote L - Lago Sul / Brasília - DF - Brasil - CEP: 71635-615

Localização

Fone: (61) 3878-8700